quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Reinos divergentes


"Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu;" (Mateus 6:10)

Através da observação de textos descritos em Mc 12:17; João 19:10,11, o homem pode aprender com a Bíblia Sagrada como o Senhor tratava as questões que para muitos ainda são confusas e como antes servem para muitos de tropeço para uma compreensão de vida cristã plena: "E Jesus, respondendo, disse-lhes: Dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus. E maravilharam-se dele." (Marcos 12:17); "Disse-lhe, pois, Pilatos: Não me falas a mim? Não sabes tu que tenho poder para te crucificar e tenho poder para te soltar?Respondeu Jesus: Nenhum poder terias contra mim, se de cima não te fosse dado;(João 19:10,11).  Tanto em Marcos 12, como em Mateus 22, os textos que se referem ao contexto da resposta exata do Senhor Jesus, relacionam-se com a questão da diferença dos reinos dos homens e de Deus. Há uma série de tentativas para fazer com que o Senhor Jesus caia em contradição quanto a tradição e interpretação da Lei como está escrito: "E enviaram-lhe alguns dos fariseus e dos herodianos, para que o apanhassem nalguma palavra." (Marcos 12:13) Entre os temas abordados aparecem a ressurreição, grau de importância entre os mandamentos, mas o que chama atenção no texto é forma que o Senhor ensinava sobre o Reino de Deus e a forma que os homens explicavam o seu reino humano mesclando com o que era de Deus nas Escrituras. Fica muito claro isto quando em Marcos está descrito a pergunta capciosa quanto a ressurreição, os homens não explicavam segundo o que era espiritual mas antes apropriavam-se de uma situação humana, mesmo que sendo hipotética, para exemplificar que seria impossível acreditar em ressurreição (estes não acreditavam na ressurreição dos mortos), como se pode ver no texto: 
Então os saduceus, que dizem que não há ressurreição, aproximaram-se dele, e perguntaram-lhe, dizendo:Mestre, Moisés nos escreveu que, se morresse o irmão de alguém, e deixasse a mulher e não deixasse filhos, seu irmão tomasse a mulher dele, e suscitasse descendência a seu irmão. Ora, havia sete irmãos, e o primeiro tomou a mulher, e morreu sem deixar descendência; (Marcos 12:18-20). 
Os saduceus são surpreendidos com a visão de Reino de Deus que Jesus lhes mostra ao dar as explicações sobre ressurreição no Reino Deus, ao ponto dos saduceus não mais lhe perguntarem nada. Jesus deixa claro que os que estavam lhe questionando por mais que tivessem suas conclusões erravam por não conhecer o Poder de Deus e nem as Escrituras: "E Jesus, respondendo, disse-lhes: Porventura não errais vós em razão de não saberdes as Escrituras nem o poder de Deus?(Marcos 12:24), mostrando-lhes assim o que diziam as Escrituras (que eles não atentaram antes pois não o questionaram): "E, acerca dos mortos que houverem de ressuscitar, não tendes lido no livro de Moisés como Deus lhe falou na sarça, dizendo: Eu sou o Deus de Abraão, e o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó? Ora, Deus não é de mortos, mas sim, é Deus de vivos. Por isso vós errais muito."(Marcos 12:26,27). Um texto no livro aos Romanos, mostra também a confusão religiosa que muitos tinham quanto ao que se deveria ser permitido de alimento entre os cristãos:"Porque um crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco, come legumes. O que come não despreze o que não come; e o que não come, não julgue o que come; porque Deus o recebeu por seu."(Romanos 14:2,3). Ao continuar a ler o texto aos Romanos observa-se que havia confusões quanto ao que seria espiritual e carnal envolvendo o Reino de Deus, assim Paulo da sua interpretação bem concisa quanto o Reino de Deus: "Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo."(Romanos 14:17)

Quanto a comparação de grau de importância entre os mandamentos, a resposta do Senhor Jesus aos homens que o questionava sem dúvida foi de uma excelência divina, pois coloca o homem que obedecer o que Jesus ensinou, em um patamar elevado sociedade perfeita. Imagina-se uma civilização formada por homens que cumpram o que Jesus ensinou, como a civilização ideal: "Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes."(Marcos 12:30,31), seria uma civilização que estaria além da compreensão que temos de justiça e ordem. Mas o que chama atenção também é que o escriba ao responder a Jesus em forma de comentário quanto a resposta do Mestre e Salvador, lhe mostra que compreendeu bem a relação dos mandamentos, com isso Jesus lhe responde que ele o escriba não estava longe do Reino de Deus: 
E o escriba lhe disse: Muito bem, Mestre, e com verdade disseste que há um só Deus, e que não há outro além dele; E que amá-lo de todo o coração, e de todo o entendimento, e de toda a alma, e de todas as forças, e amar o próximo como a si mesmo, é mais do que todos os holocaustos e sacrifícios.E Jesus, vendo que havia respondido sabiamente, disse-lhe: Não estás longe do reino de Deus. E já ninguém ousava perguntar-lhe mais nada. (Marcos 12:32-34)
Ao olhar também para Mateus 22 onde este texto "Dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus." (Mateus 22:21) e outros textos mais se encontram também, textos que estão para mostrar ao homem, como é a visão do Reino de Deus. Também permitem perceber a forma superior que o Reino de Deus está sobre o reino dos homens, mas em alguns pontos vemos convergências que apresentam-se como pontos visíveis e comuns entre os dois reinos, isto faz com que muitos acreditem até que daria para juntar os reinos e se fazer um excelente governo. Engano gravíssimo, mesmo que compreendendo a explicação do Mestre Jesus como o Escriba os homens que militam nesta vida e para os reinos deste mundo, vão chegar apenas próximo ao entendimento do Reino, como Jesus disse ao escriba, "E Jesus, vendo que havia respondido sabiamente, disse-lhe: Não estás longe do reino de Deus." (Marcos 12:34) 

O que as Escrituras tem a ensinar com estes exemplos simples de comparação entre os reinos dos homens e Reino de Deus? A resposta é simples, talvez por ser tão simples é ignorada por tantos que queiram sofisticar a mensagem da Cruz de Cristo. Os reinos não se misturam, e um reino é superior e maior que o outro este é o Reino de Deus. A tentativa de inserir um reino dentro do outro é uma forma de prepotente do homem que deturpa o  sacro, ao tentar mostrar-se perfeito em suas atitudes e decisões quanto a sua forma de ver a vida e os homens com julgar o que é divino, uma blasfêmia apenas isto. 
Olhando para o que já foi descrito e comentado quanto as comparações e interpretações do Senhor e as interpretações dos escribas, quanto ao mesmo tema observado, claramente percebe-se que o homem está distante da compreensão do que vem a ser o Reino de Deus, mesmo que alguns estejam próximos a vida ideal inserida no Reino como disse Jesus ao Escriba, ainda não é o ideal. A visão de Reino que Jesus traz não se resume apenas a uma filosofia de vida, mas uma ideia de soberania sobre os acontecimentos, soberania sobre o entendimento do certo e o errado, como se pode observar ainda no mesmo texto de marcos: "E, estando Jesus assentado defronte da arca do tesouro, observava a maneira como a multidão lançava o dinheiro na arca do tesouro; e muitos ricos deitavam muito. Vindo, porém, uma pobre viúva, deitou duas pequenas moedas, que valiam meio centavo. E, chamando os seus discípulos, disse-lhes: Em verdade vos digo que esta pobre viúva deitou mais do que todos os que deitaram na arca do tesouro; Porque todos ali deitaram do que lhes sobejava, mas esta, da sua pobreza, deitou tudo o que tinha, todo o seu sustento."(Marcos 12:41-44). Para muitos a crítica seria quanto existir ou não necessidade desta pobre viúva ofertar, já que estava desprovida de sustento depois disto, porem a observação feita por Jesus a transformou em protagonista e exemplo a seguir , desafiando assim o olhar dos homens quanto ao que vinha ser o ofertar ao Senhor, ficou claro em seu exemplo que a oferta estava no coração daquela mulher e não em suas mãos.

Outros textos também permitem com clareza o leitor perceber a miopia que o homem possui sobre a visão de Reino de Deus. O texto descrito em (João 19:10,11) demonstra que Pilatos não conhecia nada sobre a Soberania do Deus dos Hebreus, não era para ele revelado nada sobre o homem que ali estava a sua disposição para o castigo e morte. A resposta de Jesus para Pilatos foi ao seu tempo para ele Pilatos, mas ao lermos a Bíblia neste trecho é uma resposta a arrogância do homem de querer entender que o poder, sobre o que é divino, espiritual, transcendente é possível. Assim como Pilatos muitos tratam Jesus e sua obra redentora apenas como parte do reino dos homens, "rei dos judeus", é o que fica do olhar e perspectiva humana, quanto a interpretação de reinos. Mas diante de Pilatos esteve o Rei dos Reis Senhor dos Senhores, e um dia, Pilatos estará novamente diante de Jesus, mas desta vez para ser julgado.

Baseado-se nestes comentários sobre as formas e perspectivas diferentes de observar os reinos, de observar a história e autoridade dos homens, quanto ao que está nas suas mãos, para decidir ou interpretar a vida humana e sua breve passagem terrestre, consegue-se abordar assuntos bem presentes do nosso tempo, com o que diz respeito a política e decisões de muitos, em fazer parte das decisões governamentais como cristãos ou não, como também o papel da igreja do Senhor nos diversos temas que surgem com respeito a vida, ética, autoridade. Claramente as Escrituras permitem para os nossos dias entender que os ideais e a causa da luta dos que estão enjangados na política, onde se governa para todos e não apenas um público, são extremamente diferentes dos ideais do Reino de Deus, onde toda a honra e glória é direcionada ao Rei dos Reis e Senhor. Por algumas vezes podem existir pontos de convergências entre os dois reinos, o de Cesar e o de Deus, mas será sempre direcionado por Ele mesmo o Senhor e Soberano para seus propósitos eternos. Por isto torna-se um erro teológico grotesco, a ideia de entrar na vida política, como envolver-se com os poderosos desta terra para governar, simplesmente por pensar que estará fazendo a vontade de Deus, tornando-se assim um auxiliar nas decisões do Soberano, um instrumento nas mãos de Deus como foi Davi para o povo de Deus. O indivíduo precisa entender que por ser um cristão, não faz dele um instrumento político escolhido por Deus para governar, pois na história bíblica os reinos deste mundo não foram todos governados por fiéis ao Deus dos Hebreu, mas foi concedido aos mesmos autoridades do auto para governarem, e quando não serviam mais aos propósitos divinos foram depostos de seus lugares de honra, aliás honra é algo sério quando desafiado o Deus dos Hebreus diante das nações. Desta forma, pensar ser um José do Egito, um Daniel na Babilônia, como alguns alegam ao defender seu lugar na política é o mesmo que dizer que se submetem a linhagens de "faraós" e "Nabucodonosor", pois o Soberano permitiu que sobre eles repousasse a autoridade para governar. Por isto é um  erro de interpretação quanto os atributo Divinos onipresença, onipotência, onisciência, achar que Deus necessita de cristãos para governar o mundo, se for pastor político ainda, o erro é bem maior pois aparece aí a confusão clara de que não sabe para o que foi chamado. 

Com isto não se quer dizer que aquele que serve ao Senhor não poderá seguir carreira política, não poderá ser alguém influente nos governos,  mas apenas discordando que o Senhor Soberano possua algum tipo de necessidade, muito menos a necessidade de líderes políticos que o conheça para que seja feita a sua vontade, sua vontade será feita os homens o conhecendo ou não. Sabe-se que da história de Reis governados pela vontade de Deus e para propósitos espirituais, principalmente direcionados ao Messias e seu Reino, temos registros quanto ao povo hebreu, nação escolhida, reis de Israel, reis de Judá. poderá levar a sério que uma nação que declara-se cristã é povo escolhido? Lógico que esta literalidade está fora de cogitação, pois o único povo que experimentou esta escolha foi Israel e a este povo lhe foi passada a Lei mais excelente de todas as leis dos outros povo segundo o próprio Deus: "E que nação há tão grande, que tenha estatutos e juízos tão justos como toda esta lei que hoje ponho perante vós?"(Deuteronômio 4:8). É certo que os gentios que aceitam a Palavra de Deus como verdade, são ovelhas de outro aprisco que o Senhor já avistava na sua onisciência, mas deve-se ter o cuidado de não se apropriar-se de promessas que foram exclusivas ao povo hebreu, pois ao fazer este tipo de apropriação entende-se que a escolha é do indivíduo e não de Deus, outro erro gravíssimo, pois a única escolha que possui validade é a de Deus, Ele é o Deus Soberano que se revela.  Então é necessário o entendimento de que o Soberano esta no controle com cristão no governo ou sem cristão no governo, a igreja de Cristo é respaldada pela Palavra de Deus e está a sombra do Onipotente, nunca por governos e homens.

A função da Igreja sempre foi estar de joelhos e com sua atitude respaldada na Palavra de Deus, apresentando assim os líderes nas mãos poderosas do Senhor, assim ensinou os que Deus entregou o cajado para conduzir os cristãos no inicio da era da igreja: "Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões, e ações de graças, por todos os homens;Pelos reis, e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade;"(1 Timóteo 2:1,2). Ao trocar estas atitudes por acreditar em candidatos políticos, caiu no erro de transferir parte de sua fé a um homem, quando deveria viver por fé e assim cumprir seus deveres cívicos, pois votar é um é um dever cívico. Ao longo da história os cristãos entraram na cena politica do mundo e realmente muito se fez para se ter um mundo mais "civilizado", (pode ser que não seja esta a palavra certa para colocar aqui, pois civilização está além da ideia de um único modelo de povo ou nação), mas fica claro também na história que por séculos ambos pagãos e cristãos envolveram-se em atrocidades em nome do que acreditavam ser o correto. Até onde estará a mão de Deus ou se estaria a mão de Deus até hoje é material de estudo. O que podemos afirmar é que seus propósitos não podem ser impedidos, nenhum dos propósitos, então não serão pastores ou bancadas evangélicas que impedirão alguma coisa ou aprovarão alguma coisa. Lembrando que estes que hoje estão lá começaram apoiando os que agora estão sendo julgados e alguns condenados mostrando assim o quanto que política democrática é complicada, é regida por homens e sua bíblia é uma constituição, o Reino de Deus é Soberano sua carta magna para os homens é a Bíblia Sagrada. Homens se corrompem Deus é incorruptível, orar pedindo que venha o Reino de Deus quando se quer fazer a própria vontade, não é nada cristão.

Presbítero
Israel Lopes

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

O MODELO DE ORAÇÃO ENSINADA POR JESUS






(Mateus 6.9-13)

Ao me deparar com uma postagem no Facebook, onde apoiava que a oração ao Deus de Israel (ORAÇÃO DO PAI NOSSO), deveria ser liberada e incentivada nas Escolas. Não concordando imediatamente descrevi como resposta que nossa constituição permitindo a livre manifestação de pensamento e culto religioso, exigiria logo por orações diversas que correspondessem a outras religiões e divindades das mesmas. Além do Mais sabendo que uma ideia desta colocaria (como já está) a ideia de que religião e seu ensino deve ser lecionado nas Escolas. O problema é que o mundo "jaz no Maligno" e é certo que as verdades bíblicas seriam as mais prejudicadas neste ensino, pois caso contrário a Bíblia seria mentirosa quando nos avisa do "jaz no Maligno".

Colocado como resposta, que a ideia era de muita confusão quanto ao que diz a Lei (constituição do Brasil), e que muitos imaginavam que apenas existem nas escolas públicas cristãos lecionando, e mesmo que fosse, não levaram em conta ainda que existem cristãos católicos e que suas orações não param no “Pai Nosso”. Poderão existir assim orações a diversas religiões e em um caso distante, porém não improvável se colocar a responsabilidade do ensino religioso novamente sob responsabilidade da religião majoritária do Brasil Cristianismo Católico (Catolicismo). Informando que não via legitimidade neste propósito de que as crianças pudessem orar nas escolas (não que seja contra a oração das crianças), mas sou a favor que pais cristãos ensinem suas crianças a orar ao Deus verdadeiro e não pessoas que talvez nem este “Pai” da oração conheça ou seja filho. Mesmo que se isto ocorresse vantagem para pregação do evangelho não existiria, pois o sincretismo religioso ( o que seria e já é promovido)não favorece a pregação de um único Deus e Salvador, pois a constituição e leis favorecendo este tipo de situação, seria muito difícil o retorno da mentalidade das crianças ao verdadeiro Deus após educadas a deuses, inclusive filhos de cristãos.

Resolvendo então fazer uma releitura no texto que contem o Pai Nosso, percebi mais uma vez que não se trata de um texto para crianças e muito menos adultos que possuem comportamento de crianças. Lembrando que não pretende este texto aprofundar-se nas diferenças interpretativas que nos permite uma exegese e hermenêutica, porem ao observar os contextos da oração descobrimos que continua a ser uma oração para gente responsável e ainda que seja filho de Deus. Lembrando que ao finalizar a divisão do capítulo 5 de Mateus o último verso descreve para quem estava se dirigindo a mensagem: "Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus."
Mateus 5:48

1º É um modelo de oração, é de grande responsabilidade, pois fala de alguém que já conhece o que é a responsabilidade de ser santificado e separado para o Senhor, assim conhece a importância de santidade do nome do PAI
"Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome;"
Mateus 6:9

2º Quem orar desta forma sabe o que significa a vinda do Reino de Deus e a manifestação da sua soberania na Terra e no Céu;
"Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu;"

3º Quem ora como este modelo de oração ensinado por Cristo, sabe a responsabilidade que é 
ser o provedor da familia, a gravidade do que é ser uma pessoa que deve alguém;
"O pão nosso de cada dia nos dá hoje;
E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores;"Mateus 6:11,12

4º Quem ora o Pai nosso entende o que é uma tentação, sabe o que é o "MAL"(malignidade, diabo,Satanás, antiga serpente,) ou seja quem ora este modelo conhece bem o Salmo 91; pois 
ele também sabe que somente Deus poderá livra-lo de dia e de noite, mesmo que outros 
estejam morrendo do seu lado;
"E não nos conduzas à tentação; mas livra-nos do mal;" 
Mateus 6:13

5º Quem ora o pai nosso entende que já chegou o Reino do Senhor e está dentro de nós, 
entende o que é poder, entende o que honras e glórias para alguém (no caso Deus), e 
principalmente tem certeza que Deus vai ouvir e se cumprirá de acordo com a sua vontade, 
ASSIM É SÓ ESPERAR (E O CASO DO AMÉM NO FINAL)
"porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém."
Mateus 6:13

Muitos insistem que crianças devem saber de cor esta oração e até defendem em blogs que seja ensinada nas escolas públicas. Além de crianças não entenderem nada do que trata esta oração e o texto de Mateus, também não entenderiam o que estariam falando, pois suas vidas infantis não praticam o que a oração fala ao PAI! (Alguns adultos também não, adultos também são meninos as vezes, Paulo já nos avisou sobre isto, e não é menino na malícia, pois na malícia são entendidos, infelizmente).

Deus Pai, onde seu filho é Jesus, e os que os que creem no Senhor Jesus como Salvador, são co-herdeiros junto com Cristo das riquezas celestiais. "E, se nós somos filhos, somos logo herdeiros também, herdeiros de Deus, e co-herdeiros de Cristo: se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados. Romanos 8:17
Por isso podemos ser chamados de filhos de Deus, pois o Senhor nos deu este Poder, "para sermos chamados filhos de Deus";"Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome; (João 1:12)

Mas não são filhos e não nasceram espiritualmente por motivo dos irmãos estarem em redes sociais dizendo que todos são filhos de Deus, dizendo o que a Bíblia não diz, isto é pecado! 
DIZENDO SIM, que TODAS AS CRIANÇAS DEVEM ORAR O PAI NOSSO NA ESCOLA", gera um conflitos sério e também sérios problemas quanto a discriminação da religiosidade de outras divindades nas escolas pois a constituição permite, abrindo brechas para que tudo, todas orações, sejam aceitas nas escolas e a escola brasileira será repleta de orações a vários deuses e divindades, entre elas orações ao Deus de Israel, e isto é o que interessa aos planos dos maligno que tudo seja junto e misturado para que a santidade dos textos bíblicos sejam a cada dia violados, se perdendo o real sentido da adoração ao Deus dos Hebreus e a seu Filho Jesus Cristo!

Quem nasceu de Deus, nasceram pela vontade de Deus o Pai, assim tanto faria rezar como decorar os textos sagrados, se não nasceram de Deus de nada valerá o status de criaturas de Deus ainda prevalece pois o Senhor não chamou ainda para o nascimento em Cristo Jesus (novo nascimento).
"Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de 
Deus."(João 1:13). Por isso generalizar o público desta oração "Pai nosso" é algo que soa estranho, para quem não reconhece Deus como seu Pai, ou não é reconhecido como filho por este Pai.

Sem falar que a Bíblia deixa claro como a neve a existência de dois Pai. Uma pergunta que não quer calar, já que existem dois tipos de Pai e dois tipos de filhos e  a Bíblia diz que um Pai é o Diabo, Satanás. Isto tudo além de entender que o "PAI NOSSO" é a oração de um FILHO para um PAI, deve se levar em consideração que O próprio Cristo disse que existem dois 
Pais e dois tipos de Filhos, MAS ELE ESTAVA ENSINANDO FILHOS legítimos a orar ao Pai legítimo. Os próprios versículos que antecedem o "PAI NOSSO", EXPLICA ISTO: "E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que por muito falarem serão ouvidos. Não vos assemelheis, pois, a eles; porque vosso Pai sabe o que vos é necessário, antes de vós lho pedirdes." Mateus 6:7,8
Jesus DEIXOU CLARO QUE muitos são filhos de outro Pai, e filhos de outro Pai só podem gerar filhos deste outro Pai! Não vou entrar no mérito do Batismo nas águas e nem no Espírito Santo para não estender o texto mais ainda, mas é necessário entender que a oração do Pai Nosso é para os filhos e não para os que não são filhos! Vejamos o que Jesus falou do outro Pai e os outros filhos deste mesmo Pai:

"Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi
homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira." João 8:44

Todos os homens, todas as mulheres são filhos de Deus e a oração para eles fará efeito? 
Todas as crianças nas escolas públicas são filhos de homens e mulheres que são filhos de Deus?
Posso dizer que a oração do Pai nosso serve para quem não é filho do Pai?
Jesus quando ensinou estava falando com quem, Filhos ou não filhos?
Posso dizer como João "Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e, 
se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo.
1 João 2:1 ---> Também para os que estão longe do Pai e ainda não receberam o poder de 
ser chamado filho de Deus?

Não sei irmãos quanto a todos que insistem em afirmar que todos são filhos de Deus, mas eu prefiro ficar com a Bíblia do que com uma postagem que empolga, mas não é digna de confiança!

Presbítero
Israel Lopes


sábado, 14 de outubro de 2017

O Homem sem Deus é apenas um humano perdido

mental_floss Blog: East LA’s Abandoned Hospital


"Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego. Porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: Mas o justo viverá pela fé. Porque do céu se manifesta a ira de Deus sobre toda a impiedade e injustiça dos homens, que detêm a verdade em injustiça. Porquanto o que de Deus se pode conhecer neles se manifesta, porque Deus lho manifestou. Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis;" (Romanos 1:16-20)

Todos que insistem que em declarar que cristão é preconceituoso, separatista, fundamentalista e outros títulos mais, como também os que insistem para que cristãos aceitem qualquer outra ideologia, ou doutrinamento que seja contrario as Escrituras Sagradas, e muitas vezes para isto até investem em até uma nova interpretação das Escrituras para tal finalidade, são no mínimo mais extremista do que dizem ser os cristãos, pois não compreendem entendem sobre o Cristo Filho de Deus e nem seus servos.

É mais fácil a "Lua cair" no mar, do que mudarem o cristianismo em uma mera religião voltada para satisfação dos prazeres gerados pela concupiscência dos homens. Pois a fé do cristão depende das Escrituras, e mesmo que desapareçam com os escritos bíblicos ou interpretem de outra forma (particular), não adiantaria, pois muitos já pregaram as Leis bíblicas como que em uma Tabua no coração para não errar o alvo. Caminho sem volta ser capturado por Jesus Cristo e seu Espirito. Só sabe disto quem é escravo dEle, como o Apóstolo dos gentios se declara em Rm 1.1: "Paulo, servo de Jesus Cristo, chamado para apóstolo, separado para o evangelho de Deus." (Romanos 1:1). Servo não tem querer, sua vontade deve ser sujeita ao seu Senhor e muito menos este poderá ir contra a Palavra do seu Senhor. Este é o motivo incompreendido dos que, com olhar arredio, observam a caminhada cristã na face da terra e procuram distanciar-se e até calar os cristãos.

Olhando para o caminhar da humanidade em passos largos para perdição, mais forte e verdadeira a declaração " não me envergonho do Evangelho de Cristo" se apresenta na vida de quem foi chamado e escolhido para segui-lo. A humanidade profana tudo que toca, com sua mania de alterar o que perfeito o Criador criou. Trocam a certeza da natureza criada pela incerteza do sentimento humano que tanto valorizam, mas também que tanto desconhecem a procedência. Déus não compactua com mudanças humanas efetuadas na sua obra prima que é a criação. Observa-se que quando um artista cria sua obra, esta inspiração que atesta vir de dentro dele, não aceita opinião alheia, ninguém se atreve a alterar, tocar, opinar sim, mas mudar a verdade do artista seria um desrespeito com o mesmo. Assim é o Criador. Porem para com este desrespeito da criatura com seu criador, há um consequência que não poderia ser o pior dos castigos para a humanidade, entre várias opções possíveis na mente de Deus, surge a alternativa de deixar os teimosos, insistentes em alterar as verdades eternas e universais em mentiras universais, deixá-los viver suas escolhas e desejos desenfreados tomando sobre seus corpos o que lutaram tanto contra a consciência humana forjada pelo Criador. Como descrito no Texto de Romanos 8.25,28 : "Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente.[...]E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convêm;"

Após esta decisão do homem em não atentar para as verdades de Deus, após tentar fazer com que estas mesmas verdades se tornem em mentiras diante da humanidade, somado a insistência de viver seu próprio caminho ignorando tudo que pela própria natureza já estava revelado, Deus entrega ao homem a disposição de seguir o seu próprio coração e desejo, que no final se dará em perdição, e insanidades quando comparado ao propósito de Deus para o homem, que nos dias atuais são descritas como caminhos trilhados por alguns como algo que é natural dos humanos, porém não passa de tentativas para mudar as "verdades de Deus". Quanto as características dos homens que insistem em ignorar as verdades Divinas, descrito nas Escrituras não é difícil de identificar desde antiguidade. Os que decidiram ignorar as verdades de Deus deixaram o uso que natural do sexo oposto para desfrutar dos sentimentos e paixões entre pessoas do mesmo sexo, não se importam em ter o conhecimento de Deus, é normal nestas características o sentimento perverso, o excesso de iniquidade, malicia, avareza, inveja, homicídios, engano, malignidade, desobediência aos pais e mães, detratores, presunçosos e mais uma lista de características entre elas a de não possuírem afeição natural e de serem IRRECONCILIÁVEIS e SEM MISERICÓRDIA, ou seja não são bonzinhos os que foram entregues viverem seus próprios caminhos e ideologias conforme descrito neste texto do NT, não se enganem os que leem os textos em Rm 1 quanto estas características, pois as Escrituras no Livro de Rm 1, que o Senhor Criador abandonou-os para viverem do jeito que quiserem como descrito nas Escrituras "Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazer coisas que não convêm...Deus os abandonou as paixões infames" (Rm 1.24,26)

Quem não cristão, não pertence ao grupo de servos do Senhor Jesus Cristo a qual se revela toda a Divindade do Criador, pois não foram chamados para segui-lo não entendem quanto a nada além da letra e papel, vãs filosofias como descrito em Colossenses : "Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo; Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade; (Colossenses 2:8,9) . O homem com a sua mente caída em todos os tipos de delitos mentalmente possíveis, caminham em direção a ciência para tentar com astucia transformar as verdades de Deus mais uma vez em mentiras, mas ao estudarem se deparam com o que não querem ou não conseguem aceitar, lá está mais uma vez a prova que o homem deve obediência ao Criador, escrita em um pergaminho chamado Natureza, o que é natural é inviolável e uma vez violado se faz mentiroso o resultado. Assim a ciência humana torna-se mera brincadeira de humanos que não evoluíram o bastante, que como crianças ainda precisam descobrir o desconhecido, e foi concedida para que empiricamente, o desgraçado do homem perdido e estribando-se em seus próprios caminhos pudesse enxergar ao menos uma sombra do Criador, mas pelo que parece nem com a inteligência voltada para o que é empírico o pobre, cego e nu do desfavorecido de vida espiritual consegue se encontrar. Se as mãos do Senhor não se estenderem para o miserável homem, para sempre estará perdido entre suas dúvidas existências, findando os seus dias como um insano por desprezar a sabedoria e conhecimento de Deus. O homem sem Deus é apenas um humano perdido e o risco da insanidade total está sempre presente!


Presbítero
Israel Lopes

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

A Igreja de Cristo Chamada para Profetizar



"E estendeu o Senhor a sua mão, e tocou-me na boca; e disse-me o Senhor: Eis que ponho as minhas palavras na tua boca; Olha, ponho-te neste dia sobre as nações, e sobre os reinos, para arrancares, e para derrubares, e para destruíres, e para arruinares; e também para edificares e para plantares." (Jeremias 1:9,10)

Quando o Senhor quer falar aos homens na terra sempre usa sua Palavra. No Passado utilizou dos seus Profetas que ao receberem o Espírito de Deus, anunciavam os seus juízos e chamado ao arrependimento, mas hoje usa sua Igreja que tem a Sua Palavra para fazer a mesma obra, denunciar a corrupção do mundo, os desvios de comportamentos e avisa-los da salvação e perdição que esperam os homens. Serviço árduo é transmitir o recado do Criador, principalmente quando uma nação que Deus escolhera perde os rumos e direção e juntasse aos que o Senhor abomina, pois haverá denuncia de suas obras que não mais saem do nível de podridão moral. Mais algo que fica claro ao ler o texto no livro do Profeta Jeremias, é que se é necessário falar a opinião de Deus aos homens, Deus capacita o homem para tal façanha, para isto com seu Espírito sobre o Profeta, Deus o coloca sobre as nações e reinos, tanto para destituí-los, derrubá-los, destruí-los, arruiná-los, mas também para edifica-los. Seria pela palavra de um homem que poderia se concretizar estes feitos? Obviamente que não, pois um pouco antes lemos que o “Senhor estendeu a sua mão, e tocou na boca” de Jeremias dando as suas palavras, “Eis que ponho as minhas palavras na tua boca”.

Ao Ler o Livro do Profeta Jeremias com certeza vamos encontrar muitas sentenças proclamadas ao povo do Senhor, por sua desobediência, inclusive desobediências declaradas e explicadas durante o livro, encontraremos também, com clareza de compreensão que o Profeta por causa de sua mensagem não foi aceito. Mas a mensagem vinha de quem? Quem que entregava o recado para que fosse dado aos ouvidos do povo? Todos que estudam o livro sabem que o Senhor ordenava ao Profeta que falasse as sentenças e os motivos das mesmas. Neste caso o povo não rejeitava a palavra do Profeta e sim o Deus que o ordenava a falar. A vida deste homem escolhido por Profeta de Israel como seu Livro é digno de estudo minucioso, não por dificuldade de compreensão dos seus significados (é certo que para alguns será difícil), mas a dificuldade que aparece é encarar que mesmo em tempos presentes os significados das sentenças e acusações quanto ao pecado da nação que Deus escolheu, parece tão atual nos dias da igreja também. Neste livro encontramos versículos que nos desafiam em tempos modernos como:

Quando eu já há muito quebrava o teu jugo, e rompia as tuas ataduras, dizias tu: Nunca mais transgredirei; contudo em todo o outeiro alto e debaixo de toda a árvore verde te andas encurvando e prostituindo-te. Eu mesmo te plantei como vide excelente, uma semente inteiramente fiel; como, pois, te tornaste para mim uma planta degenerada como vide estranha? Por isso, ainda que te laves com salitre, e amontoes sabão, a tua iniqüidade está gravada diante de mim, diz o Senhor DEUS.

Percebe-se a forma do texto repleto de figuras de linguagem para transmitir a palavra do Senhor em forma de denuncia dos pecados  da nação do povo, erros de idolatria, a decisão de muitos a cultuarem as divindades conhecidas de outros povos,  são denunciados po Deus e comparados a prostituição, luxuria. Durante todo o Livro, Deus repreende e proclama através do seu Profeta o castigo e explica os motivos dos castigos em detalhes.
Mas o que pretendo neste texto destacar, ainda não são os detalhes das profecias de Jeremias, que são muitos e preciosos, porém quero destacar o seu chamado e sua responsabilidade juntamente com sua capacitação espiritual para exercer a posição de arauto do Senhor como observaram nos versos seguintes:

Tu, pois, cinge os teus lombos, e levanta-te, e dize-lhes tudo quanto eu te mandar; não te espantes diante deles, para que eu não te envergonhe diante deles. Porque, eis que hoje te ponho por cidade forte, e por coluna de ferro, e por muros de bronze, contra toda a terra, contra os reis de Judá, contra os seus príncipes, contra os seus sacerdotes, e contra o povo da terra. E pelejarão contra ti, mas não prevalecerão contra ti; porque eu sou contigo, diz o Senhor, para te livrar. (Jeremias 1:17-19)

Todos que já fizeram um mínimo esforço teológico para estudar as Escrituras do AT e também do NT, com certeza se depararam com a compreensão de que a forma que o Espírito Santo agia no AT sobre os homens era restrita à algumas características de escolhas destes homens, eles precisariam ser escolhidos para algum ofício pelo Senhor, desta forma o Espírito Santo agiria sobre este homem, como divisor desta forma de agir do Espírito Santo houve uma promessa no livro do também profeta Joel quanto Espírito Santo vir sobre toda a carne, promessa esta lembrada pelo Apóstolo Pedro no dia de Pentecostes descrita em Atos 2, onde todo que invocasse o nome do Senhor seria Salvo, e o Espírito Santo iria vir sobre todos e não mais de forma restrita. Importante é frisar que a descida do Espírito Santo seria diferente no que se refere a coletividade de pessoas cheias do Espírito, porém a forma de agir ainda estava relacionada a maravilhas e sinais, capacidade para ser arautos do Senhor e proclamar suas verdades,  porém não mais um ou dois , ou dezenas de homens escolhidos para tal façanha, na plenitude dos tempos multidões de pessoas, compostas de jovens, velhos, homens, mulheres proclamaram as verdades do Senhor com autoridade descida do trono de Deus como lemos no texto da inauguração da Igreja e o seu Ide ser Arautos do Senhor na Terra, onde quem inaugura a voz de Arauto denunciando chamando o povo a ouvir as Verdades do Criador foi o próprio Apóstolo Pedro que com a ousadia esta agora concedida pelo Espírito de Deus denuncia os erros dos homens ali presente  como vemos no texto a seguir:

Pedro, porém, pondo-se em pé com os onze, levantou a sua voz, e disse-lhes: Homens judeus, e todos os que habitais em Jerusalém, seja-vos isto notório, e escutai as minhas palavras. Estes homens não estão embriagados, como vós pensais, sendo a terceira hora do dia. Mas isto é o que foi dito pelo profeta Joel: E nos últimos dias acontecerá, diz Deus, Que do meu Espírito derramarei sobre toda a carne; E os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, Os vossos jovens terão visões, E os vossos velhos sonharão sonhos; E também do meu Espírito derramarei sobre os meus servos e as minhas servas naqueles dias, e profetizarão;

Homens israelitas, escutai estas palavras: A Jesus Nazareno, homem aprovado por Deus entre vós com maravilhas, prodígios e sinais, que Deus por ele fez no meio de vós, como vós mesmos bem sabeis; A este que vos foi entregue pelo determinado conselho e presciência de Deus, prendestes, crucificastes e matastes pelas mãos de injustos;Atos 2:22,23

Assim proponho como reflexão textual no primeiro capítulo do Livro do Profeta Jeremias, pensar sobre o que há de diferente na Igreja de Cristo em nossos dias? O Deus é o mesmo, o Espírito Santo é o mesmo, a Palavra é a mesma, os erros ainda presentes no mundo são os mesmos que a Palavra de Deus tanto condena, os pecados dos homens são os mesmos, as nações mudaram de nomes e povos desapareceram para o surgimento de outros povos, porem seus caminhos inclinados para desafiarem o Criador e sua Palavra ainda são feitos com o mesmo ímpeto dos tempos do profeta Jeremias. Tanto no meio do povo de Deus como fora do círculo da Igreja, há o desvio do que é santo para adorar e abraçar o que é profano, tudo como estilo de vida. Então o que faz com que a Igreja do Senhor Jesus aceite a inércia quanto ao chamado para ser Luz e sal para uma humanidade que perece sem Deus perdida em seus próprios caminhos?  A resposta é simples de entender, mas difícil de ser aceita por muitos.  A Igreja resiste o seu chamado de Profeta do Senhor Deus Criador, a Igreja prefere discutir seus dogmas e ritos religiosos, suas tradições são mais importantes do que assumir de vez a posição que só cabe à ela Igreja de Jesus Cristo.

Ao Profeta Jeremias foi ordenado pelo Senhor: “Tu, pois, cinge os teus lombos, e levanta-te, e dize-lhes tudo quanto eu te mandar; não te espantes diante deles, para que eu não te envergonhe diante deles. [..] E pelejarão contra ti, mas não prevalecerão contra ti; porque eu sou contigo, diz o Senhor, para te livrar.” À Igreja de Cristo foi ordenado: “E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos.”(Mateus 28:18-20). Tarefa difícil de concretizar se as forças e capacidade fossem apenas da Igreja, porém quem está com os que servem ao Senhor em Espirito e verdade é Espirito de Deus, o mesmo que estava sobre os Profetas, o mesmo que veio sobre Jesus o Filho de Deus, o mesmo que é descrito no livro do Profeta Isaias: “O espírito do Senhor DEUS está sobre mim; porque o SENHOR me ungiu, para pregar boas novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos; (Isaías 61:1)

A Igreja de Cristo deve lutar para continuar sendo Sal e Luz, inclusive ser contra todo tipo de lei que impeça a Igreja de propagar as verdades Bíblicas, pois apenas as Verdades Bíblicas poderão produzir gerações sadias. Sabemos que a Salvação dos homens é pelo chamado do Pai levando almas ao Filho pelo convencimento dos seus pecados e juízo de Deus através do Espírito Santo, onde retornarão para Deus através do próprio Filho Jesus Cristo o Salvador. Mesmo debaixo da graça do Senhor, os homens não estão livres da ira do Senhor sobre suas ações quando os mesmos descem ao nível da bestialidade. Ser bestial não é quando homens não creem em Deus, mas é quando além de não crer no Criador, também não dão crédito na própria natureza exposta aos olhos de todos em tempos modernos de pesquisas e comprovação cientifica, faculdades que tanto os homens exaltam como símbolo de civilidade. A igreja deve lutar com todas as suas forças, para que exércitos de adeptos de Satanás não continuem propagando suas receitas de "paz" infernal, "saúde" doentia, "sanidade" louca, aos homens. A IGREJA DEVE BUSCAR DE DEUS A CAPACIDADE NOVAMENTE DE SER PROFETA DO SENHOR NA TERRA, proclamando as Escrituras e a Lei do Senhor, proclamando também a nova Aliança e Remissão no Sangue de Jesus aos perdidos em tempo e fora de tempo. Se assim A Igreja do Senhor cheia do Espírito de Deus começar a agir, a Palavra será proclamada com eficácia, incomodando os que andam em trevas quanto o conhecimento sobre o Criador. Deus colocará ao seu tempo tudo novamente no lugar, nem que uma geração inteira tenha que desaparecer para que isso aconteça, algo muito natural para quem é chamado de o Senhor dos Exércitos. O lema de sua Lei é: O Criador e sua Palavra acima dos homens e nunca os homens e sua palavra acima de Deus! Os homens estão prestes a contemplar grande destruição e a Igreja deve avisá-los que somente a rendição ao Senhor dos Exércitos, Criador do céu e da terra, somente dando ouvidos ao que diz a sua Lei, e crendo na redenção através do seu Filho Jesus Cristo fará com que sobrevivam!

Presbítero

Israel Lopes

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Vai pagar para ver?




"E disse ele: Não, pai Abraão; mas, se algum dentre os mortos fosse ter com eles, arrepender-se-iam. Porém, Abraão lhe disse: Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tampouco acreditarão, ainda que algum dos mortos ressuscite."(Lucas 16:30,31)

Acreditar ou não na existência do Criador, no plano de salvação para o homem, no pecado, condenação e absolvição do homem, julgamento Divino, pode parecer não ter relevância para muitos, afinal ceticismo está na moda. Mas isto é apenas enquanto o homem possuir folego de vida. Pois estou certo que a incógnita na mente de muitos quanto a existência do Eterno Criador, se assemelha na incerteza cientifica quanto o que há após o último folego de vida do homem. Para negar a existência do Criador, é necessário no mínimo, provas empíricas do que há depois do ultimo folego de vida pois a morte ainda é desconhecida pelos vivos. Biblicamente após a morte, até as provas adquiridas é irrelevante, pois a recomendação é ouvir sobre o Criador e crer em vida e não em morte. 

A fé e a esperança estão juntas, são responsáveis por fazer homens aguardarem justiças da parte do Criador. A Fé é firmeza para os que desconhecem o que está após esta vida, e principalmente não depende do que se vê, mas espera o que não se pode ver, responsável por lançar luz ao que está distante da compreensão humana quando o assunto é metafísico, podemos observar estes e muito mais atributos nos seguintes textos: "Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem." (Hebreus 11:1) "Porque nós pelo Espírito da fé aguardamos a esperança da justiça." (Gálatas 5:5;) "E por ele credes em Deus, que o ressuscitou dentre os mortos, e lhe deu glória, para que a vossa fé e esperança estivessem em Deus;" (1 Pedro 1:21)

Ao observar o que está escrito em Hebreus 11, nota-se que os nomes citados como exemplo aos que querem falar de "Fé", possuem suas histórias e contextos de vida nas Escrituras, e somente nas Escrituras podemos ter respostas dos motivos de suas crenças, servindo assim eles de exemplos para os que desconhecem ainda a forma de esperança ensinada em Romanos: "Porque em esperança fomos salvos. Ora a esperança que se vê não é esperança; porque o que alguém vê como o esperará? (Romanos 8:24).

Ficam em destaque muitos pontos interessantes na parábola descrita em Lucas 16.20-31, mas nos versos 30 e 31, dois aspectos interessantes que não devem ser desprezados: 
1º a Fé no Criador entre os vivos tem valor, mas ao morrer todos acreditarão, pois não negarão o que os sentidos presenciarão, mas não contará valor para justificar a descrença em vida;
2º A incredulidade do homem é tão profunda quanto a própria "´Fé", quando há ausência de Fé, de nada significa a abundancia de provas. Já a forma como a fé é despertada é simples, ouvindo o que diz as Escrituras;

Mesmo sem ter certezas empíricas quanto ao que aguarda o homem após sua morte, segue um conselho prático quanto ter Fé ou não ter Fé no Criador. 

Ouvir o que diz às Escrituras Sagradas Escrituras pode tirar o homem das profundezas da incredulidade. pois Moisés e os Profetas falam do Messias e a vida, morte e ressurreição do Messias é o marco para uma fé inabalável. "Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá;" (João 11:25) ; "E disse-lhes: São estas as palavras que vos disse estando ainda convosco: Que convinha que se cumprisse tudo o que de mim estava escrito na lei de Moisés, e nos profetas e nos Salmos." (Lucas 24:44)

Os dois discípulos no caminho de Emaús, tiveram uma exposição do que e sobre quem as Escrituras anunciava, passando pela Lei e pelos profetas. Como os olhos dos discípulos neste texto os de muitos estão fechados, pois os acontecimentos, fornecem provas cientificas no mundo físico, de que a inexistência de algo a mais do que a vida terrestre é impossível, mas  para os que se contentam apenas com esta vida e decidiram por isto é verdadeiro o inicio e fim apenas físico. Quando o Senhor aproxima-se dos discípulos e expõe as Escrituras da forma verdadeira, se abrem os olhos dos discípulos: "E ele lhes disse: Ó néscios, e tardos de coração para crer tudo o que os profetas disseram!
Porventura não convinha que o Cristo padecesse estas coisas e entrasse na sua glória? E, começando por Moisés, e por todos os profetas, explicava-lhes o que dele se achava em todas as Escrituras." (Lucas 24:25-27);

Não deve o homem crer por suas ideias do Divino empiricamente comprovadas, mas pela revelação da "Fé" despertada pela Palavra de Deus, mas não se pode esquecer também que saber quem lhe fornece a exposição das Escrituras tem importância, já que as Escrituras sempre foram expostas e nem sempre gerou resultados como quando expostas por Cristo Jesus. Por isto é importante levar a sério o tão conhecido texto: "Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas." (Apocalipse 3:6). Se o homem não sabe o que há no infinito da eternidade, dar ouvidos ao que o Espírito Santo diz nas Escrituras é mostrar-se prudente.

Presbítero
Israel Lopes

domingo, 24 de setembro de 2017

Deus não é obrigado a nada






"Posto que as nossas maldades testificam contra nós, ó Senhor, age por amor do teu nome; porque as nossas rebeldias se multiplicaram; contra ti pecamos..." (Jeremias 14)

Não é por motivo de clamar ao Senhor, Criador e Soberano que lhe é imposta obrigação de abençoar, atender, livrar. O contexto que está inserido o texto utilizado para meditação poderia muito combinar com a ideia de que ao clamar ao Senhor ele nos livrará, pois clama-se ao que tudo pode fazer. É verdade, realmente tudo Ele pode fazer, inclusive deixar que suas criaturas morram e venham a desfalecer suas forças, separar outro povo como prometeu ao legislador no deserto, pois escolheram andar longe do seu criador e acertaram entre si qual o melhor caminho a seguir. E o melhor caminho para o homem no contexto foi andar longe da excelente Lei, a Palavra de Deus. As orações fora dos propósitos do Soberano são apenas importunações que poderão ou não ser atendidas, e ao homem pecador não cabe contestar. O texto a seguir mostra a situação da súplica e entrega a soberana vontade do Criador:

"Aguardamos a paz, e não aparece o bem; e o tempo da cura, e eis aqui turbação. Ah! Senhor! conhecemos a nossa impiedade e a maldade de nossos pais; porque pecamos contra ti.Não nos rejeites por amor do teu nome; não abatas o trono da tua glória; lembra-te, e não anules a tua aliança conosco. Porventura há, entre as vaidades dos gentios, alguém que faça chover? Ou podem os céus dar chuvas? Não és tu, ó Senhor nosso Deus? Portanto em ti esperamos, pois tu fazes todas estas coisas. (Jeremias 14:7,19-22.) Resta ao que está sucumbindo, mostrar a humildade em reconhecimento que está errado, abandonar a prepotência estampada na busca de justificativas para os seus erros e pecados e continuar a esperar pela única solução antes do seu fim como está Escrito: "Não nos rejeites por amor do teu nome; não abatas o trono da tua glória; lembra-te, e não anules a tua aliança conosco."(Jeremias 14:21), pois toda nossa existência testifica em obras contra nós mesmos diante do Criador, não há nada que possamos mostrar ao Criador que justifique a salvação que Ele pode nos dar. 

Um povo castigado pela ausência da água, onde a terra era assolada com a morte por causa da seca, desfalecendo, percebe que se continuar na sua vaidade de vida, vão perecer sem dúvida, clamam mas encontram uma barreira grande. Nos planos do Soberano estava o castigo ao povo rebelde e não o livramento, e quanto ao livramento este seria ainda em forma de cárceres, mas apenas para os que sobrassem da desgraça que estava por vir. Clamor e adoração, apenas pela necessidade da subsistência, não são verdadeiros apenas necessários, a necessidade extrema cria crentes em tentativa de sobrevivência. Pois antes, o povo de Deus se voltaram para os deuses, o paganismo das civilizações que tanto gostavam, por causa das suas prostituições e facilidades de viver como bem entendiam ser o certo, pois a felicidade da sobrevivência ainda estava entre eles, rejeitando assim a Lei do Senhor. Mas os tempos de Jeremias são diferentes e não resta muito ao que se apegar quando a morte e a miséria são vizinhas próximas da sua tenda, ou já estão morando com você. Porém agora lembram-se que são escolhidos e usam a esperança que ainda resta para contar com o que Deus tem para o povo, mas a resposta de Deus ao povo é para purgar e não livrá-los das suas misérias materiais e física.

Desta forma o profeta é convocado para fornecer a mensagem que torna seu oficio mais pesado e sofrido ainda, falar o que o povo que está sofrendo não quer ouvir, falar que Deus não os escutará, que Deus o Soberano não os socorrerão, dizer que o que Deus tem para eles no momento, é a porção amarga do que já estão vivendo. Triste é a mensagem realista mas verdadeira na boca do Profeta, porém deve ser falada, para que quando aconteça não se ponha a responsabilidade no acaso, pois isto não existe no vocabulário do Senhor, pois Ele é Soberano em tempo integral.

Mesmo assim muitos ainda tendem em acreditar que haverá livramento a sua maneira, como sempre, tentando dizer o que Deus não disse, ouvindo homens que o Senhor nunca chamou para falar em seu nome, enganando-se a si mesmo e apenas criando expectativas falsas: "Então disse eu: Ah! Senhor DEUS, eis que os profetas lhes dizem: Não vereis espada, e não tereis fome; antes vos darei paz verdadeira neste lugar. E disse-me o Senhor: Os profetas profetizam falsamente no meu nome; (Jeremias 14:13,14)

Ao perguntarem o destino do povo escolhido ao profeta, o Senhor responde da forma que o povo não gostaria de ouvir: 

"E será que, quando te disserem: Para onde iremos? Dir-lhes-ás: Assim diz o Senhor: Os que para a morte, para a morte, e os que para a espada, para a espada; e os que para a fome, para a fome; e os que para o cativeiro, para o cativeiro.(Jeremias 15:2)

Deus nunca foi obrigado a fazer nada e muito menos a vontade dos homens, então que todos se coloquem por satisfeito de ainda não serem consumidos e destruídos, Deus ainda usa a sua misericórdia, acreditar como está escrito é fundamental: "Portanto em ti esperamos, pois tu fazes todas estas coisas." Ocorre que Deus não os deixou sem explicações, apenas não foi como desejavam. Há a explicação dos fatos que estavam ocorrendo nos tempos de Jeremias quanto ao Senhor permitir a destruição, prometendo que aos que viriam depois desfrutariam da salvação, porém eles os presentes contemporâneos de Jeremias já era certa a destruição. "Disse o Senhor: De certo que o teu remanescente será para o bem; (Jeremias 15:11)

O Livro do Profeta Jeremias mostra verdades quanto os escolhidos para representar a Luz para os povos, verdades que ninguém mais quer ler ou meditar, pois o homem exerce o centro e pensa que o Criador nada tem com suas decisões. Não estamos debaixo da Lei, mas estamos debaixo do Soberano que trouxe a Lei, os que estão em Cristo não possuem a condenação pela Lei, Jesus Cristo o Salvador dos homens, este não perde nenhum que Deus trouxer a Ele para Salvação. Porém a reflexão nos capítulos 14 e 15 do Livro do Profeta Jeremias deveria  alertar, que o Deus de ontem ainda é o mesmo de hoje, mesmo que milhões de pastores ensinem ao contrário, Deus ainda é o mesmo e não tem o culpado por inocente, dá a salvação a quem quiser, atende quando quiser e sua Soberania pode até ser contestada pelos homens, mesmo que sem êxito, mas nunca anulada, nada e ninguém o faz fazer o que Ele não quer fazer. 

O homem deve tremer diante de seu decreto, mostrar humildade e esperar que sua misericórdia promova o livramento necessário. Não esquecendo nunca que a obediência ao Senhor e sua Palavra poderá prevenir muitas dores e sofrimentos quando estes são relacionados a ausência de obediência a sua Palavra.

sábado, 2 de setembro de 2017

Um mundo carente de Cristo!



"Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus." (Mt 5:16)


Vivemos em uma sociedade que nem a ciência é respeitada mais. Não sabem discernir mais confusões humanas de uma realidade humana; uma geração criada por pais que nunca exerceram suas funções de pais, não por motivo de não querer, mas simplesmente de não poder por não conseguir, pois a profanação das funções dos pais e mães foi conseguida, com êxito por aqueles que se declaram inimigos das verdades bíblicas, fazendo assim inimigos de Deus, geração de pais “baixinhos”. Este tipo de pai e mãe geraram estes, que geraram os que não conseguem discernir nem sua imagem em um espelho. A psicologia, O direito, Biologia, medicina, por incrível que pareça se esforçam para contrariarem a exatidão do que é empiricamente atestado como verdadeiro, uma verdadeira involução, corrupção cientifica. 

Do lado religioso, igrejas e pastores evitam a exegese em textos bíblicos que comprometam sua inclusão na sociedade e o benefício de serem bem vistos pela humanidade “moderna”, uma modernidade com erros grotescos já cometidos por civilizações tão antigas quanto o surgimento da escrita. Diversos textos bíblicos como: Gn 19:1-5; Jz 19:22-30; Lv 18:22-28; Rm 1; Co 6.9 – 11;1 Tm 1.8 - 11; 1Co 6:9-11, precisam ser anunciados e esclarecidos com responsabilidade à humanidade mesmo que a geração que ouça não aceite, é necessário que seja anunciado. Mas vemos que a cada dia mais igrejas cristas e líderes evangélicos como pregadores, escondem-se atrás do tema “Amor” e se esquecem de que a demonstração do amor é o castigo e repreensão para os que estão errados, para que possam ter a chance de mudar de caminho. Não fazem mais exegese nestes textos para apresentar nas Igrejas e ao público que se perde nesta humanidade desumanizada pela mídia e corrupção moral liderada pela “antiga Serpente”, pois ao estudarem estes textos bíblicos que vão de contrário se encontrarão na bifurcação entre seguir a paz com Deus ou seguir a paz com os homens. Não tenho ideia do que acontecerá, mas por experiência de leitura bíblica, Deus nunca hesitou em apagar uma geração da história após avisá-la dos seus erros e a persistência de sua rebeldia generalizada, quando esta não lhe deu ouvidos, mostrando que ser uma civilização que não deu certo!

Segue alguns dos textos que igrejas cristãs poucas vezes escolherão para ensinar aos homens do século 21, textos bíblicos que se deve fazer exegese como quem busca cura para uma humanidade doente pelo erro:

Ao anoitecer, vieram os dois anjos a Sodoma, a cuja entrada estava Ló assentado; este, quando os viu, levantou-se e, indo ao seu encontro, prostrou-se, rosto em terra. E disse-lhes: Eis agora, meus senhores, vinde para a casa do vosso servo, pernoitai nela e lavai os pés; levantar-vos-eis de madrugada e seguireis o vosso caminho. Responderam eles: Não; passaremos a noite na praça. Instou-lhes muito, e foram e entraram em casa dele; deu-lhes um banquete, fez assar uns pães asmos, e eles comeram. Mas, antes que se deitassem, os homens daquela cidade cercaram a casa, os homens de Sodoma, tanto os moços como os velhos, sim, todo o povo de todos os lados; e chamaram por Ló e lhe disseram: Onde estão os homens que, à noitinha, entraram em tua casa? Traze-os fora a nós para que abusemos deles.(Gn 19:1-5) ;

Enquanto eles se alegravam, eis que os homens daquela cidade, filhos de Belial, cercaram a casa, batendo à porta; e falaram ao velho, senhor da casa, dizendo: Traze para fora o homem que entrou em tua casa, para que abusemos dele. O senhor da casa saiu a ter com eles e lhes disse: Não, irmãos meus, não façais semelhante mal; já que o homem está em minha casa, não façais tal loucura. Minha filha virgem e a concubina dele trarei para fora; humilhai-as e fazei delas o que melhor vos agrade; porém a este homem não façais semelhante loucura. Porém aqueles homens não o quiseram ouvir; então, ele pegou da concubina do levita e entregou a eles fora, e eles a forçaram e abusaram dela toda a noite até pela manhã; e, subindo a alva, a deixaram. Ao romper da manhã, vindo a mulher, caiu à porta da casa do homem, onde estava o seu senhor, e ali ficou até que se fez dia claro. Levantando-se pela manhã o seu senhor, abriu as portas da casa e, saindo a seguir o seu caminho, eis que a mulher, sua concubina, jazia à porta da casa, com as mãos sobre o limiar. Ele lhe disse: Levanta-te, e vamos; porém ela não respondeu; então, o homem a pôs sobre o jumento, dispôs-se e foi para sua casa. Chegando a casa, tomou de um cutelo e, pegando a concubina, a despedaçou por seus ossos em doze partes; e as enviou por todos os limites de Israel. Cada um que a isso presenciava aos outros dizia: Nunca tal se fez, nem se viu desde o dia em que os filhos de Israel subiram da terra do Egito até ao dia de hoje; ponderai nisso, considerai e falai.(Jz 19:22-30) ;

Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; é abominação. Nem te deitarás com animal, para te contaminares com ele, nem a mulher se porá perante um animal, para ajuntar-se com ele; é confusão.  Com nenhuma destas coisas vos contaminareis, porque com todas estas coisas se contaminaram as nações que eu lanço de diante de vós. E a terra se contaminou; e eu visitei nela a sua iniqüidade, e ela vomitou os seus moradores. Porém vós guardareis os meus estatutos e os meus juízos, e nenhuma destas abominações fareis, nem o natural, nem o estrangeiro que peregrina entre vós; porque todas estas abominações fizeram os homens desta terra que nela estavam antes de vós; e a terra se contaminou. Não suceda que a terra vos vomite, havendo-a vós contaminado, como vomitou o povo que nela estava antes de vós.           (Lv 18:22-28) ;

Ao lermos o texto bíblico no livro de Romanos 1, deparamos com a clareza da descrição que Paulo faz aos homens sobre o pensamento Divino quanto suas vidas e a solução para os distantes dos padrões morais estabelecidos pelo Senhor:

Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Tais homens são, por isso, indesculpáveis; porquanto, tendo conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças; antes, se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, obscurecendo-se-lhes o coração insensato. Inculcando-se por sábios, tornaram-se loucos  e mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, bem como de aves, quadrúpedes e répteis. Por isso, Deus entregou tais homens à imundícia, pelas concupiscências de seu próprio coração, para desonrarem o seu corpo entre si; pois eles mudaram a verdade de Deus em mentira, adorando e servindo a criatura em lugar do Criador, o qual é bendito eternamente. Amém!  Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza;  semelhantemente, os homens também, deixando o contato natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro.  E, por haverem desprezado o conhecimento de Deus, o próprio Deus os entregou a uma disposição mental reprovável, para praticarem coisas inconvenientes, cheios de toda injustiça, malícia, avareza e maldade; possuídos de inveja, homicídio, contenda, dolo e malignidade; sendo difamadores,  caluniadores, aborrecidos de Deus, insolentes, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais,  insensatos, pérfidos, sem afeição natural e sem misericórdia. Ora, conhecendo eles a sentença de Deus, de que são passíveis de morte os que tais coisas praticam, não somente as fazem, mas também aprovam os que assim procedem. ( Rm 1;21-32);

A ilusão que se submeteu a humanidade é gigantesca, que tende a ser acreditada como realidade por ser tão abrangente e grande, ao ponto de pessoas que quando decidem contrariar ou questionar as ilusões alimentadas pelo sistema das trevas imposto ao mundo, são tratadas como retrógradas  ao apenas falarem a respeito. Vivemos em época de avanço para trás, mesmo sendo estranha a colocação das palavras. A criação de medicamentos, que tornam os enfermos mais doentes, medicamentos que causa outras doenças para a criação de mais medicamentos; Todo tipo de veneno são absorvidos pelo ser humano, substancias que alteram o comportamento e diminuem a capacidade de raciocínio. Estão escondidos na alimentação, na água que bebem, no ar que respiram e tudo acompanhado e instruído com uma doutrinação de mestres, doutores, e religiosos progressistas e humanistas, que informando ter as melhores das intenções, dizem lutar em pró dos bem estar dos homens e seus direitos. Atacam a mente dos homens aborrecendo tudo o que for sagrado e abraçando tudo que for profano, na maior literalidade das palavras; Não se trata de apenas de escolhas de forma de viver a vida, mas uma espécie de evangelismo de uma forma de  viver profano.

O maior alvo são as crianças, pois a ideia é desde cedo afetar seu crescimento e desenvolvimento intelectual, para que cresçam com muita dificuldade de discernimento do que é bom ou ruim moral e imoral. Os venenos estão em toda a parte, prateleiras de mercados, induzidos em programações de Tv, os venenos estão como alimentos para o corpo, alimentos para a mente.  Afetaram os pais, afetarão os filhos, e os netos serão estéreis, ou incapazes em suas próximas gerações,  tanto de gerarem  homens, mulheres saldáveis fisicamente como mentalmente.  Um genocídio consentido, que misturam drogas ilícitas, drogas lícitas, desvia de comportamento e principalmente desvio de DEUS. Uma tentativa do desaparecimento do homem como conhecemos está em plena execução.
Resta saber se o Cristão irá continuar a se acomodar com isto ou resolver ser o Sal da Terra e Luz do Mundo. Vós sois o sal da terra; ora, se o sal vier a ser insípido, como lhe restaurar o sabor? Para nada mais presta senão para, lançado fora, ser pisado pelos homens. “(Mateus 5.13).

Quando o Cristão tenta ser sociável negando o que diz as Escrituras para os homens deste mundo, o mundo apodrece e se apaga nas trevas do engano. Inimigos de uma humanidade saldável mentalmente e fisicamente estão nos poderes políticos, econômicos e utilizam uma sociedade que a cada dia que passa é forjada para seus interesses. A característica principal desta sociedade é a distancia do Deus verdadeiro revelado aos Hebreus e em Jesus a todos os que crerem Nele!

“Ninguém jamais viu a Deus. O Deus unigênito, que está no seio do Pai, esse o deu a conhecer.” João 1.18; à Is 40.3; Mt 3.1-12; Mc 1.2-8; Lc 3.1-18;
Se os homens quiserem realmente escapar da destruição, a única saída é sujeitar-se ao Senhor Jesus Cristo que tem todo Poder, caso contrário não há solução, o fim de suas vidas terrenas será inevitável e uma eternidade sem Deus também!

“No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” João 1.29; Esta é a ideia bíblica e que com certeza será proclamada enquanto Deus permitir e assim quiser salvar homens da perdição. A Igreja deve abraçar esta causa pois é o remédio para um humanidade doente.

Presbítero

Israel Lopes